Ambiente de aprendizagem bilíngüe para apoiar uma comunidade de prática

  • Elisa Maria Pivetta Universidade Federal de Santa Maria
  • Daniela Satomi Saito Instituto Federal de Santa Catarina
  • Vania Ribas Ulbricht Universidade Federal Santa Catarina
  • Ana MargaridaAndrea Pisco Almeida Universidade de Aveiro
Palabras clave: ccessibilidade, AVEA, línguas de sinais, comunidades de prática.

Resumen

O desenvolvimento de ambientes virtuais de ensino e aprendizagem acessíveis e a criação de valores em uma comunidade de prática envolvem aspectos de socialização, participação, engajamento, relacionamentos, aprendizagem e compartilhamento. Nesta pesquisa, a plataforma open source Moodle foi objeto de estudo sob o escopo de um ambiente acessível para estudantes surdos integrados a uma comunidade bilíngue. Embora o Moodle seja colaborativo, a literatura e as pesquisas realizadas mostram que o Moodle precisa ser aprimorado para contemplar as diferentes habilidades existentes nestas comunidades. Assim, o Moodle foi otimizado por meio do desenvolvimento e integração de tecnologias, gerando um protótipo: MooBi – Moodle Bilíngue. O protótipo possibilitou verificar a importância da tecnologia na manutenção das relações, no compartilhamento de informações de uma comunidade e consequentemente, na criação de valores. Por fim, a revisão e verificação dos requisitos possibilitou detectar não conformidades e a gerar especificações e sugestões para um ambiente bilíngue com a criação de valores.

Biografía del autor/a

Elisa Maria Pivetta, Universidade Federal de Santa Maria
Professora, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, Brasil
Daniela Satomi Saito, Instituto Federal de Santa Catarina
Professora, Instituto Federal de Santa Catarina, Palhoça, SC, Brasil.
Vania Ribas Ulbricht, Universidade Federal Santa Catarina
Professora, Universidade Federal Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.
Ana MargaridaAndrea Pisco Almeida, Universidade de Aveiro
Professora, Universidade de Aveiro, Aveiro, Portugal.

Citas

Horizon Report (2014). Disponível em http://redarchive.nmc.org /publications/2014-horizon-report-higher-ed. Acesso em janeiro 2015.

Brasil. Decreto nº 5.296 de 2 de dezembro de 2004. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/decreto/d5296.htm

IBGE (2012). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/censo2010/. Acesso em abril de 2012.

Brasil. Lei nº 10.436, de24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais, 2002.

H.L. Bauman y J.M. Murray (2012). “Deaf-gain and the Future of Human Diversity”. Deaf Studies in the 21st Century. 2010. Pub. On-line 2012.

Brasil. Lei nº 13.146, de6 de julho de 2015. Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência), 2015.

Moodle (2015). Disponível em: http://www.moodle. org.br/. Acesso em julho de 2015.

Gabardo, P., Quevedo, S. R. P. y Ulbrich, V. R. (2010). «Estudo comparativo das plataformas de ensinoaprendizagem ». Encontros Bibli: Revista eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Florianópolis, n. esp., 2. sem.

Fajardo, I., Vigo, M. y Salmeron, L. (2009). «Technology for supporting web information search and learning in Sign Language». Interacting with Computers, 21(4), pp. 243-256.

Saito, D.S., Ulbricht, V.R. (2012). «Learning Managent Systems and Face-to-Face Teaching in Bilingual Modality (Libras/Portuguese)». Revista IEEE América Latina, 10, pp. 2168-2174.

Schneider, E. I. (2012). Uma contribuição aos ambientes virtuais de Aprendizagem (AVA) suportados pela teoria da Cognição situada (TCS) para pessoas com Deficiência auditiva. Dissertação de mestrado, EGC/UFSC.

D.F.G. Trindade (2013). InCoP: um framework conceitual para o design de ambientes colaborativos inclusivos para surdos e não surdos de cultivo de comunidades de prática. Tese de Doutorado em Informática, Curitiba: Programa de Pós-Graduação em Informática do Setor de Ciências Exatas da Universidade Federal do Paraná.

Lave, J. y Wenger, E. (1998). Situated Learning. Cambridge University Press.

Hutchins, E. (2000). Distributed Cognition. San Diego. IESBS University of California.

Rézeau, J. (2012). Le cas de l'apprentissage de l'anglais en Histoire de l'art à l'université. Université Victor Segalen Bordeaux 2. UB. Tese de doutorado, 2001. Disponível em: http://joseph.rezeau.pagesperso-orange.fr/. Acesso em agosto de 2012.

A.F.T. Primo (2013). Interação Mediada por Computador: a comunicação e a educação a distância segundo uma perspectiva sistêmico-relacional. Tese apresentada como parte dos requerimentos para obtenção do Título de Doutor pelo Programa de Pós-Graduação em Informática na Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Wenger, E., White, N., Smith, J. D. y Rowe, K. (2005). Technology for Communities. Disponível em: Chapter-v-5-2. Acesso em novembro de 2014.

Sommerville, I (1995). Engenharia de Software. 6ª ed. São Paulo: Pearson Addison Wesley.

Pivetta, E. M., Saito, D. S. y Ribas, A. C. (2013). Conceitos e Práticas em Ambiente virtual de aprendizagem Inclusivo (Org). Vania Ribas Ulbricht, Tarcisio Vanzin, Silvia R. Quevedo, e-book. pp. 215-242.

WCAG20 (2015). How to Meet WCAG 2.0: A customizable quick reference to Web Content Accessibility Guidelines 2.0 requirements (success criteria) and techniques. Disponível em http://www.w3.org/WAI/WCAG20/quickref/#navigat ion-mechanisms. Acesso em Janeiro 2015.

COCHRANE (2012). Curso de Revisão Sistemática e Metanálise. Disponível em: http://www.virtual.epm.br/cursos/metanalise/. Acesso em Maio de 2012.

W3CBrasil (2015). Cartilha acessibilidade na web. Disponível em: http://www.w3c.br/pub/Materiais/PublicacoesW3C/cartilha-w3cbr-acessibilidade-web-fasciculo-I.html. Acesso em fevereiro 2015.

Devec et al. (2010). «Improving multimodal web accessibility for deaf people: sign language interpreter module». Springer Science Business Media, LLC.

Flor, C. S., Bleicher, S. y Vanzin, T. (2014). Recomendações ao desenvolvimento de interfaces para ambientes virtuais voltados a surdos. Ulbricht, V. R.; Vanzin, T. & Quevedo, S. R. P. (Org.). São Paulo: Pimenta Cultural, pp. 186-214.

Saito, S.S., Pivetta, E.M. Almeida, A.M.P. (2015). Ferramentas para Comunicação e Compartilhamento de Informações em Comunidades de Prática. E-Book. Hipermídia e Interdisciplinaridade na Geração de Conhecimento. CONAPHA. Disponível em http://conahpa.sites.ufsc.br/exposicaolayout/. Acesso julho de 2015.

Wenger, Trayner, Laat (2013). Promoting and assessing value creation in communities and networks: a conceptual framework. Rapport 18, Ruud de Moor Centrum, Open University of the Netherlands. 2011. Disponível em: http://www.open.ou.nl/rslmlt/Wenger_Trayner_DeLaat_Value_creation.pdf 2014. Acesso em dezembro de 2013

Publicado
2016-07-30
Cómo citar
Pivetta, E. M., Satomi Saito, D., Ribas Ulbricht, V., & Pisco Almeida, A. M. (2016). Ambiente de aprendizagem bilíngüe para apoiar uma comunidade de prática. Teknos Revista Científica, 16(1), 83-96. https://doi.org/10.25044/25392190.809
Sección
Artículos