Aprendizagem baseada em jogos digitais educativos para o ensino da matemática – um estudo-piloto a partir da utilização do Erudito

Me. Luís Fernando Hoffmann, Débora Nice Ferrari Barbosa, Paulo Ricardo Dos Santos

Resumen


A partir da hipótese de que a interação baseada em jogos digitais educativos contribui para a aprendizagem da matemática, este artigo relata a aplicação de um estudo-piloto que associou os jogos digitais educativos, no caso o Erudito, para auxílio no processo de ensino e de aprendizagem da matemática nos anos finais do Ensino Fundamental. A pesquisa realizada caracteriza-se como qualitativa e quantitativa, utilizando-se do método de estudo de caso. Os resultados do estudo-piloto, no qual deu-se o uso de jogos digitais educativos, demonstraram que a utilização dos mesmos pode contribuir na educação como ferramentas de ensino e de aprendizagem, uma vez que permitem ao professor perceber a efetividade de sua prática, podendo avaliar os resultados antes e depois da prática educativa.

Palabras clave


jogos digitais educativos; matemática; processo de ensino e de aprendizagem.

Texto completo:

PDF

Referencias


Barbosa, A. (2014). Pesquisa sobre o uso da Internet por crianças e adolescentes no Brasil. TIC Kids Online Brasil 2013 [livro eletrônico]. São Paulo: Comitê Gestor da Internet no Brasil.

Barbosa, D, N. F., Bez, M. R., Mossmann, J. B., Santos, G. N., Strack, T. L., Winter, N. J. (2014). Incentivo ao Estudo Através dos Jogos: experiências no desenvolvimento de uma rede social “gamificada”. Hipertexto, 4(3). Disponívelem: Acesso em: 10 jan. 2015.

Barbosa, D. N. F., Bassani, P. B. S, , J. B. , Schneider, G. T., Reatequi, E., Branco, M. A. A., Meyrer, L. S., Nunes, M. (2014). Mobile Learning and Games: experiences with mobile games development for children and teenagers undergoing oncological treatment. Lecture Notes in Computer Science, 8495, p. 153-164. 2014.

Cardoso, J. (2015). Uma proposta para a utilização de dispositivos móveis orientada as atividades complementares de crianças e adolescentes atendidos pela AMO criança. Dissertação {Mestrado em Diversidade Cultural e Inclusão Social]. Programa de Pós-Graduação, Universidade Feevale, Novo Hamburgo, RS. Disponívelem: . Acesso em: 28 jul. 2015.

Jappur, R. F. (2014). Modelo conceitual para criação, aplicação e avaliação de jogos educativos digitais. Tese [Doutorado em Engenharia e Gestão do Conhecimento}. Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Gestão

do Conhecimento, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, SC, 2014. Disponível em:

y>. Acesso em: 23 nov. 2014.

Letto, F. & Formiga, M. (2009). Interatividade e aprendizagem. In: Educação a distância, o estado da arte. ABED. São Paulo, SP: Pearson education do Brasil. Disponível em:

ons/9788576051978/pages/_1>. Acesso em: 29 nov. 2014.

Levy, P. (1999). Cibercultura. São Paulo: Editora 34. M. Prensky (2010). Não me atrapalhe, mãe – Eu estou aprendendo! São Paulo: Phorte.

M. Prensky (2012). Aprendizagem baseada em jogos digitais. São Paulo: Senac.

M. Prensky (2014). Nativos digitais, imigrantes digitais. Tradução de: Roberta de Moraes Jesus de Souza. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2014.

Mattar De Mattar, J. (2009). Blog. Disponível em: . Acesso em 15 dez. 2014.

Mattar, J. (2010). Games em educação: Como os nativos digitais aprendem. 1 ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall. In: . Acesso em: 25 dez. 2014.

MEC (2002). PCNEM+: Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC.

Moran, J. M. (2007). A educação que desejamos – novos desafios de como chegar lá. Campinas, SP.: Papirus.

Moreno, J., Montano, E. & Montoya, L. (2012). Creación y monitoreo de video juegos educativos multi-jugador masivos en línea. In: Conferencia Latinoamericana de Objetos de Aprendizaje- Laclo, 7. Guayaquil.

Neto, J. F. B. & Fonseca, F. S. (2013). Jogos educativos em dispositivos móveis como auxílio ao ensino da matemática. In: RENOTE, 11(1). Disponível em: . Acesso em: 20 dez. 2014.

Saldanha, P. (nov., 2014) Alunos do 9º ano pioram em matemática. Disponível em: . Acesso em: 29 dez. 2014.

Santos, L. V. (2014). Planejamento educacional e avaliação. Disponível em:

. Acesso em: 10 set. 2015.

Schlemmer, E. (2005). Metodologias para educação à distância no contexto da formação de comunidades virtuais de aprendizagem. IN: Barbosa, R. M. (Org.). Ambientes Virtuais de Aprendizagem. Porto Alegre: Artmed.

Silva, M. G., Gonçalves, N. M. & Neves, R. B. (2012). A interrelação dos jogos com algumas mídias computacionais: uma forma de potencializar a

aprendizagem matemática no espaço escolar na educação de jovens e adultos. Disponível em: Acesso em: 15 jun. 2015.

Silva, T. S. (2012). Jogos sérios em mundos virtuais: uma abordagem para o ensino-aprendizagem de teste de software. Dissertação [Mestrado em computação]. Programa de Pós-Graduação em Informática, Área de Concentração em Computação Aplicada, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria, RS. Disponível em: . Acesso em: 28 dez. 2014.

Unesco (2014). Diretrizes de políticas para a aprendizagem móvel. 2014. Disponívelem:

pdf>. Acesso em: 28 dez. 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.25044/25392190.820

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2016 Revista Teknos

ISSN:

ISSN Impreso 1900-7388

ISSN Online 2539-2190


DOI:

 https://doi.org/10.25044/issn.2539-2190

 

INDEXADA POR:

 

Reconocimiento (by): Se permite cualquier explotación de la obra, incluyendo una finalidad comercial, así como la creación de obras derivadas, la distribución de las cuales también está permitida sin ninguna restricción.

Revista Teknos, Copyright © Todos los Derechos Reservados